Metalúrgicos da Scania rejeitam proposta e interrompem produção

Fonte : Rede Brasil Atual

São Paulo – Os trabalhadores na Scania em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, interromperam a produção hoje (17), após rejeitar proposta de reajuste salarial feita pela montadora. Além de 5% de aumento mais abono neste ano, a empresa ofereceu reposição com base no INPC integral em 2017, com adicional de acordo com a produção. Os metalúrgicos querem pelo menos reajuste pela inflação para fechar acordo. “Estamos abertos ao diálogo para construir alternativas que atendam às expectativas dos companheiros”, afirmou Carlos Caramelo, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e funcionário da Scania, que tem aproximadamente 3.200 empregados, sendo 2 mil na produção.

Em nota, a empresa lamentou a paralisação. Mas ressaltou que “a proposta apresentada foi a melhor possível considerando o cenário de queda de volumes que começou em 2014 e agravado, mais recentemente, pelo momento difícil da economia no país”. No mês passado, a montadora ofereceu 4% de reajuste, a ser implementado em fevereiro. Os trabalhadores recusaram a proposta e pararam por 24 horas, no dia 22.

A Scania é a única montadora da base com campanha salarial em andamento. Nas demais, já havia acordos firmados. Com o impasse, os metalúrgicos devem iniciar paralisações por áreas. “Faremos uma greve estratégica, paralisando a cada dia um setor diferente”, afirmou o coordenador do comitê sindical, Régis Guedes.

Na proposta rejeitada em assembleia, a montadora propôs, segundo os metalúrgicos, adicional em 2017 caso a produção atinja ou supere 16 mil produtos no ano, de 0,5% a cada mil unidades produzidas. Para este ano, a produção deve atingir 14 mil, entre caminhões e ônibus.

Com informações do jornal ABCD Maior

Deixe um Comentário

comentários

Deixe uma resposta